Monica Schmiedt

 

MonicaS_Maos

Produtora executiva

Monica era gaúcha e produzia filmes desde os anos 80. Começou a dirigir documentários em 1997 e desde então exerceu as duas funções. Estudou arquitetura e história e já produziu teatro e música. Em 1994, abriu a M. Schmiedt Produções, realizadora de filmes para cinema e televisão. Como diretora e produtora, realizou três documentários, entre eles: Doce Brasil Holandês (em exibição no canal GNT e na TV Cultura) e Extremo Sul (co-dirigido com Sylvestre Campe (10 prêmios em festivais, lançado em cinema e DVD, em exibição no canal OFF). Como produtora executiva e delegada, realizou doze filmes, entre longas e alguns curtas.

 

Seu último filme a ser lançado foi PROVA DE CORAGEM, com roteiro e direção de Roberto Gervitz. Monica faleceu em março de 2016, vítima de um câncer, semanas antes da estreia de Prova de Coragem.

 

Direção e Produção:

DOCE BRASIL HOLANDÊS, documentário para a TV, 52 min, HD, 2010. Melhor Documentário no 5º BRAFFTV – Brazilian Film & TV Festival of Toronto.

 

EXTREMO SUL, documentário, 92min, 35mm, 2004, co-dirigido com Sylvestre Campe. Recebeu 10 prêmios em festivais, lançado em cinema, TV, DVD e internet, no Brasil e no Exterior.

 

ANTÁRTIDA, O ÚLTIMO CONTINENTE, 50 min, 16mm, 1997, co-dirigido com Alberto Salvá.

 

Produção Executiva e Delegada:

DONA HELENA, documentário, 55 min, DVCam, dirigido por Dainara Toffoli .

 

MEMÓRIAS PÓSTUMAS, 95 min, 35mm, 2001. Dirigido por André Klotzel e produzido pela Super Filmes. Ganhou os prêmios de Melhor Filme, Direção, Roteiro e Atriz coadjuvante pelo júri oficial e Prêmio da Crítica no 29o Festival de Cinema de Gramado.

 

A INVENÇÃO DA INFÂNCIA, documentário, 26 min, 16 mm, 2000, dirigido por Liliana Sulzbach. Ganhador de 19 prêmios em festivais internacionais de cinema.

 

ANAHY DE LAS MISIONES, 114 min, 35 mm, 1997, dirigido por Sérgio Silva. Quinta maior bilheteria no Brasil em 1998.

 

O QUATRILHO, 85 min, 35 mm, 1995, dirigido por Fábio Barreto, produzido pela LC Barreto. Grande sucesso de bilheteria que concorreu ao OSCAR de melhor filme estrangeiro em 1996.

 

MANOBRA RADICAL, 80 min, 35 mm, 1991, dirigido por Elisa Tolomeli e produzido pela EH Filmes.

 

ILHA DAS FLORES, 10 min, 35mm, 1989, dirigido por Jorge Furtado e produzido pela Casa de Cinema. Urso de Prata no FilmFestival Berlim em 1990.

 

MAZEL TOV, 14 min, 35mm, 1987, dirigido por Flávia Seligman e Jaime Lerner.

 

O MENTIROSO, 101 min, 35 mm, 1988, dirigido por Werner Schünemann. Melhor Filme (júri oficial e júri popular), Direção, Ator, Atriz Coadjuvante, no XXI Festival do Cinema Brasileiro de Brasília/88;